Blog

Aqui você pode ler um pouco mais sobre a EFFICIENT, nossas ideias e clientes

Outubro, 08 2017

As 7 lições de Gestão de Pessoas de Tite

No início da minha trajetória profissional, tive a imensa oportunidade de ser estagiária na SANBRA, empresa do setor de alimentos do Grupo Bunge. Minha chefe na época, Valentina Saptchenko Meyer, tinha algumas metodologias curiosamente batizadas, e uma delas era o RIC – Recorte, Identificação e Colagem. O tal RIC nada mais era do que o clipping de matérias e artigos sobre as empresas do Grupo, publicados em jornais, revistas e demais veículos da mídia impressa (ah, estamos falando de nada menos do que 30 anos .... não tínhamos internet naquela época!). Ah e não tínhamos computador e impressora também. A gente recortava o jornal, colava numa folha, fazia um pequeno resumo e tirava cópia para distribuir!

Com o RIC aprendi e adquiri o hábito da leitura dos periódicos, da seleção e também da resenha dos textos. Isso me ajudou muiiiiito no restante da minha trajetória e, com certeza, é um hábito decisivo para que hoje eu aproveite o volume gigantesco de informações que temos disponíveis.

Nos últimos tempos, “recortei” algumas coisas bem interessantes de revistas como Você SA, Você RH e Melhor e vou passar a dividi-los com vocês por aqui. O RIC adaptado às formas de comunicação do século XXI!

Na Você SA de janeiro de 2017 foi publicada a matéria “TITE – Os segredos do técnico da Seleção Brasileira para inspirar e motivar pessoas, extrair o máximo de seu time e entregar resultados sob pressão”, por Elisa Tozzi.

Sob a minha ótica, foram traduzidas para outras palavras, as principais competências necessárias a qualquer líder, do mundo corporativo inclusive:

1 – MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA – quando estão na seleção, os jogadores têm que entregar resultados para uma instituição que não é a que paga seus salários. Então estão jogando por outro motivo, com outro propósito.

2 – LAÇOS DE CONFIANÇA – Além do preparo psicológico e intelectual, pesa o fato do líder falar bem a língua da sua equipe, conhecer cada um de seus componentes e promover a integração entre todos, onde o resultado do grupo deve ser maior que a soma das partes.

3 – TRANSPARÊNCIA TOTAL – Em tempos de informação em tempo real e a custo quase zero, tornou-se essencial a transparência entre todas as partes de uma organização. Ninguém mais se contenta com meia verdade, boatos sem os fatos, resultados sem dados. E não se pode perder a oportunidade de dizer a verdade. É mais fácil e assertivo fazer escolhas e tomar decisões com base na verdade.

4 – LEITURA DO AMBIENTE – A habilidade de compreender se a equipe está confortável ou não, se os profissionais estão nas posições corretas e com as tarefas corretas, faz com que o líder seja mais respeitado, pelos subordinados e pelos seus pares.

5 – LEALDADE E MERITOCRACIA – Bonificar e promover vai muito além da análise da entrega em um determinado momento. E muito além de uma simples avaliação de desempenho. É preciso dar tempo aos que estão chegando, oportunidade para todos mostrarem o seu melhor e acompanhar os que não estão em seu melhor momento. É a boa e velha meritocracia mas com uma dose de lealdade. Ou você vai sempre precisar ficar trocando as pessoas.

6 – APERFEIÇOAMENTO PESSOAL E DA EQUIPE – É preciso parar de olhar só o passado e passar a prestar atenção e valorizar o que a pessoa está fazendo para aprimorar o que já é bom e desenvolver o que ainda tem espaço. E, principalmente, nos colaboradores mas em você, líder, também!

7 – APRENDER COM AS FRUSTAÇÕES – Nada mais motivador do que lidar com as frustações do melhor modo: aprendendo COM elas! Ou se dispondo a aprender, melhorar, A PARTIR delas!

E por fim, uma frase de Tite: “Eu não costumo dar conselho. Mas, se desse, seria para fazer o que te fará feliz quando voltar para casa. Aí é que vem a sua recompensa.”

Boa semana!

Mari Mei